sexta-feira, 15 de julho de 2011

Agradecimentos!

Deixando aqui meus agradecimentos a minha amiga Ana Karina, pois, foi ela que me deu coragem pra escrever. É ela que diz que meus textos são bons e tal.

Aninhaa!! Muito obrigadoo!

Te amoo d++

Momentos

Postando pequenos textos que escrevi em momentos que nem eu entendo!


Às vezes, escutando palavras sombreadas pelo mar de luz infinita, sinto que nada e ninguém poderá me atingir, sinto ser dona do meu corpo e possuir capacidade pra dominar o mundo e poder fazer dele meu cantinho particular. Às vezes mergulhada num mar de sombras incessantes, escutando palavras banhadas de luz, sinto como se pudesse respirar, pudesse acordar de um transe que me carrega pro fundo do mar sem que eu possa voltar para a superfície, mas, enfim, às vezes sentindo a morte passar pelas minhas veias, posso sentir a vida gritando meu nome desesperadamente como se o mundo fosse acabar sem mim e ao sentir toda a vida voltar a correr em mim, posso ouvir o fim me chamando pro fundo de um poço infinito de tristeza e isolamento, onde nada é real, tudo é sofrimento.



Ainda existe no meu peito uma dor incomparável, me faz pensar se tudo que fiz na vida valeu a pena. Faz-me sentir um nada e me faz sentir como se o mundo fosse meu. Ainda existem pessoas que choram sozinhas, pessoas que tem companhia pra chora e eu, que nunca chorei junto e nunca chorei sozinha, que sempre quis menos e sempre quis mais, que ouço, mas, não escuto, que tento e me faço conseguir.



Ouvindo as vozes do nada, sabendo que o nada sou eu, ouvindo pequenas palavras, dizendo ao nada: Sou eu! Tentando ser mais do que isso, ouvindo o que eu posso ser, tentando não ver meu próprio sumiço, sabendo que não vou sobreviver. Sentindo em todas as veias, cantando canções sem sentido, pensando no sentido do mundo, pensando e querendo um amigo. Afinal quem sou eu?



Sabendo que o mundo não te aceita, se aceite e vença o mundo, porque é assim que se formam grandes vencedores.



Mesmo que o mudo caia sobre a sua cabeça, nunca, de forma alguma, sob nenhuma circunstância, deixe de amar.



Sentindo a dor do que não é real, a dor do que não me afeta, a tristeza do que não é triste e a sensação de posse do que não é meu, ouvindo sons que não são reais, escrevendo coisas sem sentido, falando do que é bom e que não traz bondade alguma, do que machuca e do que faz machucar, fantasmas percorrendo a luz e vivos vivendo nas sombras, talvez seja mais cômodo assim, deixar a luz pra quem não precisa de luz e manter a escuridão pra quem quer o sol.



Que a saudade não seja motivo pra tristeza, pois, a saudade me faz pensar que quando, finalmente, estiver aqui ao meu lado, vou te abraçar forte e te beijar com vontade pra matar minha saudade.




Que te amar não seja, pra mim, apenas um sentimento passageiro, que o amor seja pra nós dois um sentimento infinito para que possamos, mesmo sozinhos, estarmos juntos.



Amar é ter a pessoa mais importante de nossas vidas ao nosso lado pra que possamos nunca mais, chorarmos por não termos ao lado alguém pra nos perguntar por que estamos chorando.



Que minha vida se resuma à sua e sua vida se resuma à minha, pois, assim pensando na vida pensarei, inevitavelmente, em nós dois.


Que amor que sentimos um pelo outro seja maior até mesmo do que pensamos, por que amar é um ato ainda maior do se apaixonar, pois, a paixão é fogo que se extingue e o amor é fogueira que não se apaga.



Que acordemos pela manhã e olhemos pro sol denominando-o amor. Que nos deitemos olhando pra lua denominando-a paixão.



Que faça sentido ainda que separados, que não faça sentido algum quando juntos.



Que o mundo pra nós dois seja mais do que uma casa, um carro ou um emprego, que o mundo pra nós, seja uma comparação em pequena escala do nosso amor.



Que a crueldade do mundo não atrapalhe sua forma de ver a verdade sobre os sentimentos que cultivo por você.



Mesmo que uma grande onda do mar se quebre sobre nós, que nos levantemos e nademos até a ilha mais próxima para que possamos viver o amor que temos guardado em nossos corações.



Mesmo que não dure pra sempre, que pra sempre seja uma linda ilusão que nunca se perca em nossas mentes, corações, pensamentos e sentimentos.



A vida em seu conceito íntimo é parte da realidade irreal do mundo desumano que faz pessoas desalmadas pensarem, sem saber no que pensam, na divisão realista de um dia triste, da capacidade mental e da felicidade passageira que mantém no mundo o conceito de pensamento e de conceituação de tudo, que faz o mundo infeliz mas, faz o mundo girar, faz o mundo ser de passoas almadas e amadas, felizes e despreocupadas,mas, tristes e chorosas. Pessoas vendem suas almas pra pagar as contas, pessoas compram almas pelo prazer da sua, vendas, compras, contas. Tentando vencer a cidade, que é muito mais forte que você, enfrento o exército rico que ainda pensa em arrancar sua alma, que ainda pensa que você é inferior.
O mundo é feito de almas e é produto de almas fracas.



Num mundo vazio, cheio de palavras doces, nasce a Incerteza. Ela não é ruim mas, machuca, não é boa, mas, conforta. Da Incerteza, então, nasce a Indagação. Mãe e filha são muito parecidas, mas, a Indagação tem uma vantagem, a resposta. Nunca, entre elas, existiu Raiva ou Inveja, também parentes e nascidas na mesma época que Incerteza. Nesse mundo dominado por palavras, não existem conflitos e sim discussões. Mas, infelizmente, um dia nasceu a Discórdia e mudou o mundo.
O que era pacífico se tornou uma guerra constante e incerteza e indagação foram separadas no meio dela.
Incerteza morre de saudades da filha e vice versa mas, Incerteza tem uma desvantagem sob a filha, agora perdida, a resposta.

terça-feira, 5 de julho de 2011

Sem sentido

Palavras sem sentido plainam no ar de pensamentos confusos, ainda tentando ser entendidos. Momentos em que nada, não só as palavras, mas, nada faz sentido. Tentando fazer do mundo um lugar melhor pra nós mas, ainda destruindo-o com avanços considerados importantes. Meu mundo não pode parar de girar, mas, meu mundo é você, e você não está.Sei que mihas palavras não fazem sentindo mas, deviam fazer pra você, porque são sobre nós. Eu pedi que nunca se esquessece que nosso amor é importante. Espero que seja tão importante pra você quanto pra mim. Você é um anjo sem asas que me faz flutuar, a contradição em quase tudo.
Você odeia meu estilo, minhas roupas, meu cabelo, minhas unhas mas, ainda assim, você disse que me ama.

Sentada a mesa de um palácio!

Rio de Janeiro, 14 de Junho de 2011.

Estou sentada a mesa 11 da Biblioteca Nacional no centro da cidade do Rio de Janeiro, parece um sonho mas, eu estou mesmo aqui. É maravilhoso. Os prédios do centro misturam antiguidade e modernidade.
Por fora são construções do século XVI, XVII talvez, quem sabe o século XX, mas, ainda são contruções com aspecto de um antigo muito bem conservado. Por dentro, os prédios tem estalações de ar condicionado e computadores, estalações modernas com a maior cara de século XXI, mas, ainda com o aspecto de palácio imperialista.
Vou ler um livro chamado 'A Antologia dos Poetas Vassourenses'. Farei anotações. Espero gostar.
A introdução do livro fala da história cultural de Vassouras. Fala sobre acontecimentos importantes e incentiva o leitor a querer saber mais sobre essa história.


                                           "Ao cair da tarde...
Pouco a pouco vai agonizando a tarde
       Findando-se assim mais um lindo dia
     
       E o crepúsculo em doce majestade

       Traz no seu colorido a nostalgia."

                                            Trecho do poema de Alyrio da Cunha Jordão.

Ao começar a ler  os poemas da obra, me deparei com tal estrofe. O autor observa como ninguém a chegada da noite , fazendo tão bom uso das palavras, que, ao ler posso sentir o calor sereno do pôr-do-sol.


                         " Lírios do Brejo
                 Lírios tão brancos! Fonte de doçura!
                 Doce encanto, sublime majestade!...
                 Tua cor é pureza, é liberdade!
                 Teu emblema é paz, é ternura!..."

                                       Trecho do poema de Alyrio da Cunha Jordão

Aqui, o poeta traz à atenção do leitor para o contraste da flor com seu habitat. A flor branca e o brejo negro nos traz a idéia de que o lírio é quase divino. Ele nos dá a nítida impressão de que poderíamos olhar pro lírio por horas inteiras sem que nos cansemos de sua beleza.

Terminarei esse post daqui a alguns dias. Espero que se sintam ansiosos pelo término da história. 

Diário de bordo!

Pessoal,
Vou começar a contar aqui histórias que acontecem comigo que sejam interessantes para os leitores.
Espero que gostem!!